08 agosto 2014

S. DOMINGOS DE GOSMÃO

É verdade que tudo passa; mas não é completamente verdade. Julgas que tudo passa e que passa de todo? Eu creio que não. É verdade que tudo passa e que todos passamos. Mas nós, pelo menos, não passamos completamente; há alguma coisa que fica atrás de nós, como um rastro, como uma semente, como um gérmen que, a seu tempo, se deverá desenvolver. O poeta Nnñez de Arce cantou assim: "O que é a nossa vida? O sonho de um momento; /onda que passa, sombra que se afasta; /ave tímida e muda, que não deixa / nem o rastro das suas asas no vento". E as boas obras? E as más obras? Não deixam rastros que perdurem? Não queres que a tua vida deixe marcas? Satisfaz-te viver alguns anos e passar logo ao vazio infinito e ao esquecimento? Julgo que nenhum coração humano fica satisfeito com essa perspectiva.


"Lembra-Te que a minha vida é um sopro" (Job 7,7).
É uma insensatez pôr a meta nesta vida, que é 
passageira, que não é a definitiva, que há-de ser 
superada por aquela que é a verdadeira Vida.
O caminhante não se fixa no caminho, mas no 
termo a que deve chegar; o teu caminho é esta
vida. A tua meta é a eternidade.*

Cinco Minutos com Deus

Abraços Fraternos Irmãos em Cristo*

DE COLORES

Josélia Micael

Sem comentários: