13 agosto 2016

O DEUS DA FÉ

Meu Deus, eu sou um eco da Tua voz,
como é que o eco continua a soar 
enquanto a voz permanece em silêncio?
Se eu sou a sede e Tu a Água Imortal, 
quando acabarás de saciar esta sede?
Se eu sou o rio e Tu o mar,
Quando vou repousar em Ti?
Aclamo-te e reclamo-Te,
Afirmo-Te e confirmo-Te,
Exijo-Te e necessito de Ti,
Aspiro por Ti e desejo-Te.
Onde estás, Senhor?
Ó Tu, que não tens figura,
na escuridão da noite dobro os 
meus joelhos, entrego-me a Ti, 
creio em Ti meu Pai.
 Ámen.*

Ignácio Larrañaga

Muita Paz e muito Amor
no coração de todos, meus
Irmãos em Cristo.
Abençoado final de semana.*


1 comentário:

Gracita disse...

E de joelhos continuemos nosso clamor a Deus e no silêncio do nossos diálogo ele nos ouve nos conforta
Belíssima oração minha amiga
Um feliz domingo querida
Um beijinho doce no seu coração amada